Pages

domingo, 6 de maio de 2012

Fundação Carlos Chagas: Flexão nominal e verbal - Questão comentada

(FCC-2010/Casa Civil-SP) A frase em que a flexão verbal e a nominal estão em total concordância com o padrão culto escrito é:

a) Sei que ele remoe a ideia de que sua cônjuge possa ter dificuldades durante sua ausência, por isso ele proviu a família do necessário antes de viajar.
b) Se ele não se comprouvesse, seria diferente, mas, como soe acontecer, ele imediatamente se prontificou a organizar a exéquia do soldado morto em ação.
c) Isto constitue verdade inconteste: ele sempre obstrói as negociações, mesmo quando se desenvolvem apoiadas em legítimos abaixo-assinados.
d) Peça-lhe que remedie a falta de conforto que gerou ao distribuir indiscriminadamente os salvo-condutos disponíveis, e, se ele não se dispor a fazê-lo, avise-nos.
e) Se ele antevir os problemas que possam decorrer de sua ousadia, ou se reouver o juízo, certamente não será uma vítima do próprio atrevimento.

Comentário: Vamos analisar cada assertiva.

A) Resposta incorreta. Na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo, as formas verbais terminadas em –OER são finalizadas pela vogal “i”: ele rói (de roer) / mói (de moer) / remói (de remoer). Portanto, no contexto, a forma correta é “Sei que ele remói a ideia (...)”. Ademais, o substantivo “cônjuge” contém uma só forma para representar ambos os gêneros. Portanto, é sobrecomum, e somente o contexto poderá determinar-lhe o gênero. No trecho “(...) a ideia de que sua cônjuge possa ter dificuldades durante sua ausência, por isso ele (...)”, ainda que a referência seja à “esposa”, o determinante “sua” deve apresentar-se no masculino: “(...) a ideia de que seu cônjuge (...)”. Por fim, a forma verbal “proviu”, flexionada no pretérito perfeito do indicativo, deriva do verbo “prover” (abastecer, providenciar, dispor). Logo, o correto é “(...) por isso ele proveu a família do necessário antes de viajar”.

B) Resposta incorreta. À época, muitos candidatos ficaram em dúvida com relação à estrutura “comprouvesse”. Essa forma verbal é uma variante do verbo “comprazer”, que significa “ser cortês, servir”. No contexto, está empregada corretamente no pretérito imperfeito do subjuntivo:

Se eu não eu me comprouvesse ...
Se tu não te comprouvesses ...
Se ele não se comprouvesse ...
Se nós não nos comprouvéssemos ...
Se vós não vos comprouvésseis ...
Se eles não se comprouvessem ...

Na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo, as formas verbais terminadas em –OER são finalizadas pela vogal “i”. É o que ocorre com o verbo “soer” (costumar, acontecer com frequência). Portanto, no contexto, a forma correta é “Se ele não se comprouvesse, seria diferente, mas, como sói (=costuma) acontecer, ele imediatamente (...)”. Por fim, vale frisar que alguns substantivos são empregados apenas no plural por não terem forma singular correspondente. É o caso de “exéquias”, cujo significado é cerimônias ou honras fúnebres.

C) Resposta incorreta. Na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo, as formas verbais terminadas em –UIR são finalizadas pela vogal “i”: “Isto constitui verdade inconteste: (...)”. Na estrutura “obstrói”, a grafia está incorreta, pois, segundo os cânones gramaticais, o correto é “ele sempre obstrui (derivado do verbo obstruir) as negociações (...)”. No que se refere à flexão nominal, o vocábulo “abaixo-assinado” é formado por um advérbio (palavra invariável) e um adjetivo (palavra variável), razão por que apenas o último elemento do composto deve flexionar-se no plural. No contexto, a grafia está correta, portanto.

D) Resposta incorreta. Em regra, as formas verbais terminadas em -iar são regulares.

Exemplo: ARRIAR (abaixar-se) - eu arrio, tu arrias, ele arria, nós arriamos, vós arriais, eles arriam.

Porém, alguns verbos terminados em -iar são irregulares. São eles: mediar (além do derivado intermediar), ansiar, remediar, incendiar e odiar.
E o que isso significa? Meus amigos, por serem irregulares, os verbos acima receberão a vogal E nas formas rizotônicas (rizo = raiz + tônica = sílaba forte), ou seja, rizotônica é a forma cuja sílaba tônica recai no radical do verbo.
As formas rizotônicas ocorrem na 1ª, 2ª e 3ª pessoas do singular (“eu”, “tu”, “ele”) e na 3ª pessoa do plural (“eles”): eu remedeio, tu remedeias, ele remedeia, eles remedeiam. No presente do subjuntivo, a 3ª pessoa do singular é uma forma rizotônica, devendo ser grafada da seguinte maneira: “Peça-lhe que remedeie a falta de conforto (...)”. Prosseguindo com a análise do período, o vocábulo “salvo-conduto” foi corretamente flexionado no plural. Segundo o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), esse composto admite mais de uma forma pluralizada:

salvo-conduto -> salvo-condutos, salvos-condutos

Para finalizar a análise da assertiva em comento, o verbo “dispor” segue o paradigma (modelo) de conjugação do verbo “por”. Sendo assim, no contexto em que se encontra, a forma verbal adequada é “(...) se ele não se dispuser (...)”.

E) Esta é a resposta da questão. No contexto, a forma verbal “antevir” está flexionada no futuro do subjuntivo. Por ser um verbo derivado de “ver”, segue o modelo de conjugação deste:

Se eu vir (verbo “ver”);
Se ele antevir (verbo “antever”).

Portanto, a flexão está correta.

Com relação ao verbo “reaver”, a forma adequada no futuro do subjuntivo é “reouver”, a qual foi apresentada no período da assertiva. Vejamos a conjugação:

Futuro do subjuntivo

(Quando) eu reouver
(Quando) tu reouveres
(Quando) ele reouver
(Quando) nós reouvermos
(Quando) vós reouverdes
(Quando) eles reouverem

Gabarito: E.

8 comentários:

  1. Gostei, me ajudou bastante. PArabéns

    ResponderExcluir
  2. Professor, o verbo "pôr" de acordo com a reforma ortográfica no que diz respeito aos acentos diferenciais, o acento caiu ou continua?

    ResponderExcluir
  3. beeem complexo, obrigado pela explicação detalhada

    ResponderExcluir
  4. essas dicas vao me ajudar bastante

    ResponderExcluir