sexta-feira, 1 de abril de 2016

O fenômeno da crase em concursos públicos

E aí, galera! Espero que todos estejam estudando muito!

                Hoje, compartilho com vocês cinco questões comentadas sobre o tema CRASE. O objetivo dessa exposição é mostrar a todos como essa temática tem sido abordada em concursos públicos organizados por cinco das principais bancas examinadoras do país: FGV, ESAF, Funiversa, FCC e Cesgranrio. Todos a postos? Vamos lá!

1. (FGV-SEFAZ/RJ - Analista de Controle Interno) Ratifica-se, assim, o conceito de que a conscientização tributária pode representar um ponto de partida para a formação cidadã como uma das formas eficazes de atender às demandas sociais, com maior controle sobre a coisa pública.

No período acima, empregou-se corretamente o acento grave para indicar o fenômeno da crase. Assinale a alternativa em que o acento grave tenha sido empregado corretamente.

(A) Em visita ao Rio, fomos à Copacabana da Bossa Nova.
(B) Esta prova vai de 13h às 18h.
(C) Finalmente fiquei face à face com a tão esperada prova.
(D) Os candidatos somente podem deixar o local de prova à partir das 15h.
(E) Pedimos um bife à cavalo.


Comentários:

A) Correta. Para verificar se haverá ou não crase em nomes de lugar femininos, recomendo que vocês utilizem os versos a seguir:

Quem vai A e volta DA, crase há.
Quem vai A e volta DE, crase para quê?

Ao empregar o verbo voltar, antônimo do verbo ir, verificamos que o topônimo Copacabana, quando determinado, admite o artigo definido feminino A: Voltamos da Copacabana da Bossa Nova. Logo, haverá crase:

Em visita ao Rio, fomos à Copacabana da Bossa Nova.

É importante frisar que, se o topônimo Copacabana não estivesse determinado, não haveria a ocorrência do fenômeno da crase:

Em visita ao Rio, fomos a Copacabana.

B) Incorreta. Em Esta prova vai de 13h às 18h., houve um erro de paralelismo sintático. Como antes do termo 13h há somente a preposição de, deve haver apenas a preposição a antes do termo 18h:

Esta prova vai de 13h a 18h.

Nesta construção, a intenção é informar que o tempo mínimo da prova é de treze horas e o máximo, de dezoito.

Vale frisar que existe outra possibilidade de construção: a de empregar a preposição de acrescida do artigo definido as antes do termo 13h. Sendo assim, também deve haver preposição a acrescida do artigo definido as antes de 18h:

Esta prova vai das 13h às 18h.

Nesta construção, a significação indica que a realização da prova tem início às treze horas e encerramento, impreterivelmente, às dezoito.

C) Incorreta. Não haverá crase entre palavras repetidas, o que deveria ter ocorrido na frase:

Finalmente fiquei face a face com a tão esperada prova.

D) Incorreta. Não se utiliza acento grave antes de verbos, pois não admitem a anteposição de artigos definidos femininos. Portanto, a frase correta seria:

Os candidatos somente podem deixar o local de prova a partir das 15h.

E) Incorreta. Este é mais um dos casos proibidos de emprego do acento grave: antes de nomes masculinos. Logo, o período correto seria:

Pedimos bife a cavalo.

Gabarito: A.



2. (ESAF- SEFAZ/RJ - Agente de Fazenda) Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto.

De todo navio que aporta no país são exigidos, em média, 112 documentos, com __1__ obrigatoriedade de serem fornecidas 935 informações. É um calhamaço de formulários com diversas vias __2__ serem remetidas__3__ órgãos diferentes e em duplicidade. Apenas no porto de Santos, o maior do país, __4__ burocracia exige, por ano, o preenchimento de 3.773.800 folhas, 17,4 toneladas de papel, segundo estimativa do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Por ser de navio que qualquer país faz __5__ maior parte das exportações e importações, conclui-se que__6__ burocracia é poderoso entrave ao comércio exterior brasileiro.
(O Globo, 27/7/2010, com adaptações)

       1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6
(A)  à - a - à - à - a - a
(B)  a - à - a - à - à - a
(C)  à - à - a - a - à - a
(D)  a - a - à - à - a - à
(E)  a - a - a - a - a - a


Comentários:

A lacuna (1) deve ser preenchida somente com o artigo definido a, exigido pelo substantivo obrigatoriedade, já que o termo regente exige a preposição com: "(...) com a obrigatoriedade (...)". Sendo assim, já se descartam as assertivas A e C.


A lacuna (2) deve ser preenchida somente com a preposição a - equivalente a para -, visto que verbos não admitem a anteposição do artigo definido feminino a: "(...) diversas vias a serem remetidas (...)". Sendo assim, também se descarta a assertiva B.


Por sua vez, o contexto da lacuna (3) apresenta apenas a como uma preposição, visto que o termo regido órgãos diferentes pertence ao gênero masculino e encontra-se no plural. Logo, não ocorrerá a crase. Sendo assim, também se elimina a assertiva D. Contudo, vamos analisar as demais lacunas.

Na lacuna (4), há apenas o artigo definido a, em virtude do substantivo burocracia. Vale frisar que, no contexto em que se apresenta, o termo a burocracia desempenha a função de sujeito. Como se sabe, o sujeito não pode ser preposicionado.


Com relação à lacuna (5), esta deve ser preenchida apenas com o artigo definido a, uma vez que o termo regente - verbo fazer - é transitivo direto, isto é, não exige preposição.


Por fim, a lacuna (6) mantém a correção gramatical ao ser preenchida apenas com o artigo definido a, concordando em gênero com o substantivoburocracia. Vale frisar, novamente, que, no contexto em que se apresenta, o termo a burocracia desempenha a função de sujeito. Como se sabe, o sujeito não pode ser preposicionado.

Gabarito: E.


3. (Fundação Universa - SEPLAG/DF - Auditor Fiscal de Atividades Urbanas - Adaptada)

Texto para responder à questão abaixo.

            Imagine se o mercado de energia funcionasse assim: você vai a uma loja de departamentos e compra um kit de energia solar ou eólica. Instala o dito cujo no telhado, seguindo o manual de instruções, pluga na tomada e, com o celular ou o computador, controla a produção de energia em casa. Quando seu gasto de energia for maior que a produção, você recebe uma conta em casa. Mas, quando a produção superar o consumo, algo incrível acontece: chega um cheque pelo correio. Não seria sensacional?
            Seria, claro. Mas o jeito como os Estados Unidos estão incorporando energias limpas ao seu sistema é bem diferente disso. Por lá, eles estão substituindo carvão queimado por energia eólica e solar, o que é bom, mas de uma maneira que não muda a relação entre os produtores e os consumidores de energia. Você conhece o modelo: usinas gigantescas produzindo energia, postes monumentais transportando essa energia por milhares e milhares de quilômetros. Quem quiser pode instalar seu painel solar no telhado, mas o sonho de mandar essa energia para a rede e faturar uns trocadinhos com isso continua bem longe da realidade.
            A revista Fast Company publicou, na sua edição de julho/agosto, uma reportagem bem interessante acerca de um novo sistema de produção descentralizada de energia, o microgrid, que se opõe ao tradicional macrogrid. A diferença entre os dois parece com a distinção entre a televisão (uma enorme infraestrutura de mão única que leva informação do centro para as bordas) e a Internet (uma teia gigantesca que não tem centro ? todo mundo produz e consome ao mesmo tempo).
            Assim como a Internet deu origem a uma avalanche de empreendedorismo pelo mundo, a ponto de algumas das maiores empresas do planeta hoje terem nascido lá dentro, essa mudança poderia iniciar uma nova era de dinamismo no setor de energia. Qualquer um de nós poderia ajudar a resolver a crise de energia ? e ganhar dinheiro com isso. Haveria um surto de inovação, com gente mundo afora tentando desenvolver cataventos e placas solares mais eficientes, novas fontes de energia e de transmissão.

Denis Russo Burgierman. Internet: http://veja.abril.com.br (com adaptações). Acesso em 22/9/2009.

Acerca das ideias e dos fatos linguísticos do texto, analise a afirmação a seguir.

I. O sinal indicativo de crase pode ser corretamente inserido sobre o segundo a da linha 17, pois o verbo dar assim o permite.


Comentários:

No contexto "Assim como a Internet deu origem a uma avalanche (...)", o termo regente - verbo dar - é transitivo indireto e exige a preposição a. Porém, conforme os ensinamentos contidos nas lições de crase, não se deve empregar o acento grave antes de artigos indefinidos (um, uns, uma, umas). Logo, no excerto "Assim como a Internet deu origem a uma avalanche (...)", o a é apenas uma preposição, não podendo ser inserido o acento grave indicativo de crase.

Gabarito: Item incorreto. 



4. (FCC - TRE-AM / Técnico Judiciário) Sem nada perguntar ___ ninguém, o rapaz dirigiu-se ___ um canto da sala, ___ espera de ser chamado pela atendente.

(A) a - a - a
(B) a - a - à
(C) a - à - à
(D) à - à - a
(E) à - a - a


Comentários:

Na primeira lacuna, o a é apenas preposição. Como se sabe, não se emprega o acento grave antes de pronomes indefinidos (tudo, nada, qualquer, ninguém), pois estes não admitem a anteposição do artigo definido a. Logo, não haverá o fenômeno da crase.

Na segunda lacuna, o a também é apenas uma preposição. Não haverá crase antes de artigos indefinidos (um, uns, uma, umas): "(...) dirigiu-se a um canto da sala (...)".

Já a terceira lacuna apresenta um caso de locução prepositiva feminina "à espera de", o que torna obrigatório o emprego do acento grave: "(...) à espera de ser chamado pela atendente".

Gabarito: B.



5. (Cesgranrio - FINEP / Analista Jurídico) O sinal indicativo da crase é necessário em:

(A) Os cartões-postais traziam as novas notícias de quem estava viajando.
(B) Recife abriga a mostra de antigos cartões-postais, fruto do esforço de um colecionador.
(C) Reconhecer a importância de antigos hábitos, como a troca de cartões-postais, é valorizar o passado.
(D) Enviar um cartão-postal aquela pessoa a quem se ama era, nos séculos XIX e XX, uma forma de amor.
(E) Durante muito tempo, e em vários lugares do mundo, a moda de trocar cartões-postais permaneceu.


Comentários:
A) Em "Os cartões-postais traziam as novas notícias de quem estava viajando.", o termo regente - verbo trazer- é transitivo direto, ou seja, não exige o emprego de preposição. Logo, o as que antecede o termo regido novas notícias é apenas artigo definido, não havendo, portanto, a possibilidade de empregar o acento grave.

B) Em "Recife abriga a mostra de antigos cartões-postais, fruto do esforço de um colecionador.", o termo regente - verboabrigar- também assume transitividade direta, ou seja, não exige o emprego de preposição. Logo, o a que antecede o termo regido - mostra de antigos cartões-postais - é apenas artigo definido. Sendo assim, não há possibilidade de empregar o acento grave.

C) Na frase "Reconhecer a importância de antigos hábitos, como a troca de cartões-postais, é valorizar o passado.", o termo regente - reconhecer - é um verbo transitivo direto, ou seja, não exige o emprego de preposição. Logo, o a que antecede o termo regido importância de antigos hábitos é apenas artigo definido. Portanto, não haverá crase.

D) No contexto "Enviar um cartão-postal aquela pessoa a quem se ama era, nos séculos XIX e XX, uma forma de amor.", é necessário fazer duas análises:

(1)  "Enviar um cartão-postal aquela pessoa (...)"

Empregando o método prático apreendido nas lições de crase, verifica-se que:

1º) o verbo enviar - termo regente - é transitivo direto e indireto, exigindo, em seu complemento indireto, a preposição a(enviar algo a alguém) ;

2º) o termo regido é o pronome demonstrativo aquela. Neste caso, como foi constatada a presença da preposição A, haverá a fusão com o A inicial da forma pronominal aquela. Então, a frase corretamente escrita seria:

"Enviar um cartão-postal àquela pessoa (...)"


(2)  "Enviar um cartão-postal àquela pessoa a quem se ama (...)."

Como se verifica, o verbo enviar - termo regente - é transitivo direto e indireto, exigindo, em seu complemento indireto, a preposição a (enviar algo a alguém). Não obstante a presença dessa preposição, não se usa acento grave antes do pronome relativo quem (pois não admite a anteposição de artigo).

E) No período "Durante muito tempo, e em vários lugares do mundo, a moda de trocar cartões-postais permaneceu.", o a é apenas artigo definido, que concorda com o substantivo moda. Logo, não haverá crase.

Gabarito: D.


Até o próximo encontro, pessoal!

Grande abraço a todos!
Prof. Fabiano Sales.

terça-feira, 29 de março de 2016

ESAF - 2016 :: Questões Comentadas

Olá, caros alunos! 
Estamos de volta ao Blog!
Após um longo intervalo, nossa página terá atualizações semanais.
No 'encontro' de hoje, comentarei duas questões recentemente cobradas pela ESAF, na prova de Técnico Administrativo da ANAC. A primeira versa sobre 'ortografia oficial', enquanto a segunda aborda aspectos relacionados à 'tipologia textual'.
Vamos lá!

1. (ESAF-2016/ANAC-Técnico Administrativo) Assinale o trecho sem problemas de ortografia.

a) No caso de sentir-se prejudicado ou de ter seus direitos desrespeitados, o passageiro de avião deve dirijir-se primeiro à empresa aérea contratada, para reinvindicar seus direitos como consumidor.

b) É possível, também, registrar reclamação contra a empresa aérea na ANAC, que analizará o fato. 
c) Se a ANAC constatar descomprimento de normas da aviação civil, poderá aplicar sanção administrativa à empresa.
d) No entanto, a ANAC não é parte na relação de consumo firmada entre o passageiro e a empresa aérea, razão pela qual não é possível buscar indenização na Agência.
e) Para exijir indenização por danos morais e/ou materiais, consulte os órgãos de defesa do consumidor, e averigúe antecipadamente se está de posse dos comprovantes necessários.



guia/2014/guiapassageiro2014_portugues.pdf> Acesso em: 17/12/2015.


Comentário: A letra (D) é a resposta da questão. No trecho em apreço não houve qualquer desvio ortográfico, valendo destacar a correta grafia de “indenização”, substantivo advindo do verbo “indenizar”.

         Nas demais opções:

a) o verbo “dirijir-se” deve ser grafado com “G”: dirigir-se. Além disso, a forma “reinvindicar” está incorreta, devendo ser substituída por “reivindicar”.

b) o verbo “analisar” é grafado com “S”, consoante que deve ser mantida na forma verbal “analisará”.

c) a palavra “descomprimento” caracterizou desvio ortográfico. Advindo de “cumprimento”, o vocábulo “descumprimento” deve ser grafado com “U”.

e) a forma “exijir" deve ser grafada com “G”: exigir.


Gabarito: D.


Leia o texto para responder à questão 2.

Aeroporto de Cumbica, check-in, tudo pronto para o embarque. No alto-falante, a voz macia. Voo com uma hora de atraso. Pegou a bagagem de mão e se dirigiu devagar para a sala VIP. Dois únicos passageiros. Com ele, três. Ainda bem. Cansaço ou tédio, nenhuma vontade de aceitar papo com desconhecido.

Otto Lara Resende, “Bons companheiros”, em Bom dia para nascer. São Paulo: Cia das Letras, 2011. p. 104.

2. (ESAF-2016/ANAC-Técnico Administrativo) A finalidade desse texto é

a) alertar para o rotineiro atraso de voos de algumas companhias aéreas em Cumbica.
b) informar sobre os procedimentos de check-in em aeroportos brasileiros.
c) narrar literariamente o início de uma viagem aérea de um passageiro enfadado.
d) ensinar aos passageiros mal-humorados o que fazer quando os voos estão atrasados.
e) descrever estilisticamente o ambiente de uma sala VIP do aeroporto de Cumbica.


Comentário: O texto é uma narração. Mas, afinal, o que é narrar? Fazer uma narrativa é contar uma história, uma sequência de fatos ocorridos em determinado local e tempo. Durante a narrativa, o narrador evidenciou o “fato ocorrido”, o “motivo de sua ocorrência”, a “forma como o fato ocorreu” e “com quem o fato ocorreu”. Ademais, perceba que, durante a trama, temos um narrador-observador, ou seja, aquele que observa os fatos “de fora”, relatando-os. O foco narrativo é de 3ª pessoa: observe, por exemplo, o emprego dos verbos “pegar” e “dirigir-se” na terceira pessoa: “Pegou a bagagem de mão e dirigiu-se devagar para a sala VIP”. Sob o viés argumentativo, o texto tem o objetivo de narrar o início de um voo (viagem aérea) de um passageiro (personagem) que está enfadado (certamente, devido ao atraso do voo).
             Além disso, é importante destacar que toda narração é marcada por uma progressão temporal. Trata-se da análise da parte estrutural do texto. Veja que fragmento acima caracteriza uma narração: primeiramente, foi feita uma exposição, em que se apresentam a ideia principal, o(s) personagem(ns) e o lugar (ou espaço): “Aeroporto de Cumbica, check-in, tudo pronto para o embarque. No alto-falante, a voz macia”. Em um segundo momento, apresenta-se o desenvolvimento, em que é detalhada a ideia principal, dividindo-se em dois instantes distintos: a complicação, em que se iniciam os “conflitos” entre as personagens e o clímax, ponto culminante: “Voo com uma hora de atraso. Pegou a bagagem de mão e se dirigiu devagar para a sala VIP. Com ele, três. Ainda bem”. Por fim, é apresentado o desfecho da narrativa, que é sua conclusão: “Cansaço ou tédio, nenhuma vontade de aceitar papo com desconhecido”.
                    Assim, a letra (C) é a resposta da questão.


Gabarito: C.

Acompanhem-me no Periscope: @profabianosales.
Em breve, muitas novidades para vocês!

quarta-feira, 4 de março de 2015

CNMP - Português

Olá, pessoal!
Analisei os itens de Língua Portuguesa, nas provas de níveis médio e superior. Até o momento, identifiquei possibilidade de interpor recurso contra o gabarito indicado para a questão 6, da prova de Técnico do CNMP – Administração (Prova K11 – Tipo 3).
Vamos às considerações:
  1. A
Comentário: No segundo parágrafo, a substituição de “quando” por ‘enquanto’ mantém a coerência e o sentido original do texto, validando o gabarito apontado pela banca.


  1. D
Comentário: A letra (D) é nosso gabarito. O contexto nos mostra que o crescimento econômico é considerado com um aspecto importante para manter a estabilidade política nos regimes democráticos, tal como se afirma no excerto “Desde a Segunda Grande Guerra, o principal determinante da estabilidade democrática foi o crescimento econômico. Mesmo democracias que no início pareciam débeis foram se robustecendo à medida que ascendiam a níveis mais altos de renda per capita, melhoravam seus níveis educacionais e conseguiam atender as demandas básicas da população”.


  1. B
Comentário: O trecho “que no início pareciam débeis” é uma oração adjetiva com caráter restritivo, ou seja, restringindo o sentido do termo “democracias”. Portanto, a letra (B) é a resposta da questão.


  1. A
Comentário: Vamos analisar as assertivas.
I. Correta. De fato, a inserção de uma vírgula após o vocábulo “central” mantém a coesão textual e a correção gramatical. Nesse caso, o trecho “capaz de arbitrar disputas de poder” assumiria apenas uma feição explicativa, se acarretar erro na superfície textual.
II. Correta. Com efeito, a substituição do ponto final pelo sinal de dois-pontos não acarretaria desvio gramatical, tampouco alteração de sentido ao trecho “Como processo histórico, a evolução de democracia representativa deve ser compreendida como resultante de dois vetores; de um lado, a formação de uma autoridade central capaz de arbitrar disputas de poder, inclusive mediante a elaboração de uma complexa aparelhagem eleitoral; de outro, o crescimento econômico, com todas as implicações para a elevação do piso de bem-estar e desconcentração das posições de privilégio, status”.
III. Errada. A inserção da vírgula após “autêntica” prejudicaria a correção gramatical por separar, inadequadamente, o núcleo sujeito “avaliação” de seu predicado “foi compartilhada por correntes ideológicas diversas”.


  1. B
Comentário: O verbo ‘facilitar’ é transitivo direto, tendo como complemento o objeto direto “o surgimento econômico e político de uma classe média”.
Analisando as opções apresentadas, a única que possui o mesmo tipo de complemento é a letra (B). De acordo com o contexto, o verbo ‘assegurar’ é transitivo direto, sendo o sintagma “que a configuração de fatores” seu objeto direto.
Nas demais opções:
a) o verbo ‘existir’ é intransitivo.
c) a forma verbal “foi” é de ligação.
d) a forma verbal “surge” é intransitiva.
e) o verbo ‘conviver’ é transitivo indireto.


  1. C
Comentário: A letra (C) é a resposta da questão. O sintagma “certa tensão” é sujeito da forma verbal “articula-se”.Ainda assim, o item seria passível de recurso, pois o que mantém o verbo no singular é o fato de o termo “tensão”, núcleo do sujeito, ter sido empregado nesse número, e não todo o sintagma “certa tensão”.
Nas demais opções:
a) o verbo ‘permanecer’ foi empregado no singular para concordar com “configuração”.
b) a expressão destacada foi mantida no singular para concordar com o termo “corpo”.
d) a expressão “foram se rebustecendo” concorda com “democracias”.
e) o termo “entendimento” é núcleo do sujeito, levando o verbo “ser” a ser empregado na terceira pessoa do singular.


  1. E
Comentário: Nossa resposta é a letra (E). No trecho apresentado, não houve qualquer desvio gramatical.
Vamos apontar algumas correções nas demais opções.
a) “(…) e, quando necessário, emprega a força; porém, o faz (…)”
b) “(…) a evolução … pode ser compreendida (…)”.
c) “(…) diversos intérpretes têm assinalado (…)”.
d) “(…) e escritor francês, idealizou intelectualmente (…)”.


  1. D
Comentário: A letra (D) é nossa resposta. A forma verbal “são” concordou com o sujeito composto (anteposto) “o desempenho do sistema político e o aprimoramento moral da vida pública”.
Nas demais opções, apresento algumas correções:
a) “associada a progresso”;
b) “cujo nível é alto”. (sem a preposição ‘de’);
c) “Um dos principais … determinantes da estabilidade democrática tem sido (…)”;
e) “o processo de que se fala”.


  1. E
Comentário: O gabarito indicado é a letra (E). No contexto, o verbo “ascender” é transitivo indireto, regendo como complemento o objeto indireto “a níveis mais altos de renda per capita”, assim como ocorre no excerto do enunciado.


  1. C
Comentário: A letra (C) é nosso gabarito. O trecho “que tem competência exclusiva nessa matéria” tem caráter explicativo, razão por que foi corretamente isolado por vírgulas.
Nas demais opções, eis algumas correções:
a) Não cabe adotar …
b) Segundo a minuta encaminhada em anexo, o benefício-alimentação será concedido …
d) que elaborasse planos de contenção de despesas, bem como que economizasse energia (faltava um paralelismo à estrutura)
e) Considero que Vossa Senhoria deve estar satisfeita com a pronta nomeação de seu substituto.


Abraços e sucesso a todos!
Fabiano Sales.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Olá, pessoal!

É uma satisfação estar aqui!

Voltando ao blog após certo tempo, compartilho com vocês duas videoaulas gratuitas: uma sobre Ortografia Oficial, abordando o emprego do hífen, e outra acerca do tema Redação Oficial, assunto cada vez mais presente nos principais concursos públicos do país.

Confiram as demonstrações a seguir:

Ortografia Oficial (Emprego do hífen) ; e

Redação Oficial .

As demais aulas podem ser conferidas nos cursos de Língua Portuguesa, disponíveis no site Estratégia Concursos!

Abraços e ótimos estudos!



sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

BENFEITO, BEM-FEITO OU BEM FEITO ?

Olá, pessoal!


Hoje veremos a diferença entre os vocábulos e/ou as expressões BENFEITO, BEM-FEITO OU BEM FEITO.


O primeiro deles - "benfeito" - é um substantivo. É empregado no sentido de "benfeitoria", "benefício".

Exemplo: Tinha benfeito aos pobres (= Tinha beneficiado os pobres).

Já a expressão "bem-feito" (grafada com hífen), segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), é um adjetivo, significando "caprichado, bem-acabado".

Exemplo: Este trabalho está bem-feito.


Por fim, vale mencionar que também é possível utilizar a expressão "bem feito", no contexto de interjeição.

Exemplo: Ela fez besteira e não pôde viajar. Bem feito!



Portanto, analisem o contexto antes de utilizar tais vocábulos/expressões!



Abraços e ótimos estudos!